Parte II

Parte II

© direitos reservados a autora Ângela M. Ferreira

Pinheiral, a caminho da Barra do Piraí

fotográfica, a minha câmara fotográfica tenta fazer palavras, e de repente eu estou no meio das coisas que essas palavras são, palavras como: ônibus, estrada, cavalos, fazenda.
Experimento um olhar através de uns Collapse ), o que melhora o enquadramento, penso.
Digo: estamos sentados aqui, na sala da avó da Malu, casa cheia de retratos e a noite começa a chegar, e ouve-se o som do trem das mercadorias de quando em quando lá em baixo, na via cheia de pó, e cheira a lugar de infância e pequenas partículas mais ou menos de tudo, isso muito bem misturado, um cheiro intenso mas de uma certa maneira vago, porque é naturalmente misturado e só vale assim. Nasceu hoje um bezerro.
Misturamos o feijão preto e a língua de boi com o acto incrível de testar o
Collapse )

Estou aqui sentada na cadeira de pau que me obriga a olhar para o candeeeiro na diagonal e começo a fazer um triângulo que gira. Ficamos a imaginar figuras, formas, ou então ocupo-me de uma parte qualquer do meu corpo, algo que me distraia, como trincar os lábios, ou espantar os carrapatos que vieram no rabo dos cavalos que andamos esta tarde.
Sim, é isso. Ocupamo-nos a fazer desenhos através de um programa de processamento de dados. Dizem que assim se pode criar livremente todas as nossas imagens e construir do nada, quase Collapse )
A galera ocupa-se com o que vê acontecer na tela, as manchas que se vão ligando umas às outras imaginando histórias ou, pelo menos, pequenas cenas. Ouvimos Rolling Stones, com introduções, variações, repetições, cerca de 10 gigas de musica.
O Guto é o pai do Theo e também ele compõe imagens. Ao todo somos 12.
Tento não pensar em nada ou só em coisas sem importância. A professora MALU surge levemente com a canjica e a postilha. Ela é, aquele corpo forte e magro e louco, mas ao mesmo tempo parece já um pouco, como hei-de dizer?, criança excitada com o que ainda está para vir, ainda que tendo já visto tanto, atravessado tanto, parece.
Ao todo somos 12 figuras em movimento criativo a experimentar processar, e criam em caos oos cãoes Obama, o Zumbii, a PetraCollapse )os cavalos e as vacas.

Parte Um


© direitos reservados a autora Ângela M. Ferreira
Cheguei a este sítio há sete dias.
Não me lembro se vim pelo ar, sequer da lenta e progressiva despedida, quando se anda pelas terras, o labirinto doloroso, a alegria quando se anda pelas terras e nos despedimos, primeiro de um corpo, depois de um sitio, depois de um odor, de uma luz, de uma voz, os sinais, as palavras, as temperaturas.
Cheguei a este sítio há sete dias.
Este sítio fica no meio. No meio é bom. Há uma coisa que se chama à volta.
Serve para estar bem só. Tenho uma pequena ciência. Fiz como nos livros.
Dividi-me em sete dias, logo ao primeiro dia.